O que são investimentos ASG e por que investir neles?

Pessoa segurando um globo, representando o mundo com transparência verde, em um jardim

Entenda tudo o que você precisa saber sobre investimentos ASG e porque eles vão revolucionar os negócios e o futuro do planeta.

Você já deve ter ouvido falar de investimentos ASG. Nos últimos tempos, a sigla tem ganhado cada vez mais atenção de investidores e empresas. Além disso, ela se mostra uma tendência que veio para ficar – e mais, parece ser o caminho que muitos empreendimentos já adotaram. 

Isso porque a ideia de apostar no futuro do planeta e da sociedade tem ganhado o palco nos últimos tempos. Um exemplo disso foi a 27ª edição da Conferência do Clima das Nações Unidas. Realizada no ano passado, em Sharm El-Sheikh (Egito), a COP 27 contou com um recorde de participação de quase 200 países-membros.

Conheça o que são os investimentos ASG e como eles estão sendo adotados no Brasil e no mundo!

Você vai ler a seguir:

Entenda o que são os investimentos ASG

Os investimentos ASG no parâmetro mundial

Onde o Brasil está em relação aos investimentos ASG? 

E por que se importar a agenda ASG?

Entenda o que são os investimentos ASG

Antes de mais nada, precisamos entender o significado da sigla. O termo ASG faz referência à Ambiental, Social e Governança e é uma tradução do termo em inglês Environmental, Social and Governance. As três letras se propõem como uma revolução no mundo dos investimentos. A proposta é que, além de visar o desempenho econômico, as empresas considerem os três aspectos na hora de avaliar e tomar suas decisões.

Além de promover um impacto positivo e um futuro mais justo e sustentável, elas encontram nos investimentos ASG um retorno visível. Nesse sentido, além da valorização, ao se assumir métricas mais holísticas que as tradicionais, os empreendimentos demonstram melhores resultados! Assim, a ideia de que apostar no futuro do planeta e da sociedade vem ganhando força ano após ano. 

A premissa não deixa de corroborar com uma das chaves no sucesso dos investimentos, que é se pensar no longo prazo.

Que fatores ambientais envolvem os investimentos ASG?

Com uma extensa pauta, a agenda ASG reúne preocupações ambientais ligadas ao emissões de gases de efeito estufa, ao consumo energético, emissão de poluentes, uso de recursos naturais, etc.

Embora seja impossível para alguns segmentos eliminar a geração de resíduos e efluentes em seus processos, colocar esforços em reduzir o desperdício é uma atitude que trará benefícios para o meio ambiente e para a produtora. 

Esse é um exemplo de como a pauta ASG só tem benefícios a oferecer para o futuro dos empreendimentos. Algumas ações adotadas pelas empresas conectadas à agenda são:

  • Promover dinâmicas como a reciclagem e a economia circular como incentivo ao consumo consciente;
  • Dar preferência à energia limpa, utilizando fontes eólicas, solares, biomassa, etc.;
  • Evitar o desperdício de recursos naturais;
  • Dar a destinação correta aos resíduos gerados em suas operações.
  • Adotar um consumo responsável de água, implementando sistemas de redução e não poluição de lagos e rios.
  • Renunciar qualquer relação com qualquer grupo ou atividade ilícita nociva ao meio ambiente, como o corte ilegal de madeira;

Que fatores abrangem a pauta social da ASG?

A preocupação social que envolve os investimentos ASG diz respeito à relação da empresa com a comunidade. Isso seja em seu ambiente de trabalho, seja em sua relação externa com a sociedade como um todo. 

Os fatores da pauta em geral envolvem relações e políticas de trabalho, engajamento, inclusão e diversidade, capacitação profissional, direitos humanos, relações com a comunidade, privacidade e proteção de dados.

Para isso, muitas das ações adotadas pelas empresas são:

  • Promover a diversidade e a inclusão no meio empresarial;
  • Prevenir e combater o assédio sexual no ambiente corporativo;
  • Oferecer treinamentos e capacitação para os colaboradores e adotar um plano de carreira;
  • Estimular o relacionamento com a comunidade local;
  • Responsabilizar-se pela satisfação e o relacionamento com os clientes;
  • Prezar pela saúde física e mental de seus colaboradores;
  • Combater a escravidão moderna e o trabalho infantil.

E onde entra a governança na agenda ASG?

O fator da governança engloba tudo no que diz respeito à responsabilidade corporativa. Em outras palavras, o indicativo busca avaliar o modo como uma empresa é administrada, prezando a transparência, a independência e a diversidade do conselho administrativo, a política de remuneração da alta administração, a estrutura dos comitês fiscal e de auditoria e a ética.

Medidas que envolvem essa preocupação aferem-se a:

  • Ter transparência financeira e contábil e uma política transparente de remuneração da diretoria;
  • Não se envolver em fraudes e escândalos e, em caso de envolvimento, prestar esclarecimento ao mercado financeiro;
  • Emitir relatórios financeiros completos e autênticos;
  • Prezar pela independência, equidade e diversidade nos conselhos;
  • Fornecer uma remuneração justa aos acionistas;
  • Disponibilizar canais de denúncias sobre casos de discriminação e assédio.

Leia também: ESG em 2023: tendências de hoje que poderão mudar o amanhã.

Os investimentos ASG no parâmetro mundial

Embora o tema dos investimentos ASG tenha ganhado força recentemente no Brasil, no parâmetro global a preocupação com o tema já se trata de uma nova realidade. Afinal, cada vez mais, os investidores do mundo inteiro têm abraçado o conceito de “investimento responsável”. 

Tanto o público consumidor quanto investidores e fundos de investimentos têm tomado consciência do impacto ambiental e social das ações tomadas por empresas e instituições. Tanto que hoje, no mundo, segundo dados da XP Investimentos, mais de US$ 30 trilhões dos ativos considerados sob gestão (os chamados AuM, ou “Assets Under Management”) provém de fundos que definiram estratégias sustentáveis. 

Na Europa, esse valor já chega nos US$ 14,1 trilhões, o que equivale a mais de 50% do AuM do continente. Nos Estados Unidos, por sua vez, o valor já representa cerca de 25%, e a tendência é que esse movimento só deve crescer nos próximos anos.

Em síntese, o maior interesse pela temática ASG tem transformado o mercado de investimentos, provocando a maior procura por portfólios alinhados à pauta e, consequentemente, a maior adoção das práticas ASG pelas corporações.

Onde o Brasil está em relação aos investimentos ASG?

Enquanto no mundo as questões que envolvem a agenda ASG têm ganhado força no mercado de investimentos há alguns anos, no Brasil essa questão tem se tornado destaque mais recentemente. 

Embora seja um parâmetro relativamente novo, a pauta dos investimentos ASG tem ganhado a atenção do mercado brasileiro nos últimos meses. Provavelmente a pandemia foi um grande agente que contribuiu para isso. A crise trouxe à tona problemas latentes que englobavam saúde, meio ambiente, corrupção, transparência, questões sociais, etc. – tudo o que a agenda ASG procura avaliar.

O cenário dos investimentos ASG ao redor do mundo são um bom indício do que o Brasil pode aguardar nos próximos anos: uma transformação no interesse do investidor e, por consequência, a alteração na tomada de decisão de empresas e instituições em prol da agenda.

E por que se importar a agenda ASG?

No Brasil, os investimentos ASG ainda são algo novo no mercado e portanto, podem passar distantes dos antigos parâmetros de investimento. Todavia, o espaço destinado a essa tese parece cada vez mais amplo, e a tendência é que ganhe ainda mais destaque no país nos próximos anos. Veja alguns motivos pelos quais você deve, sim, prestar atenção na pauta ASG:

Engajamento fazendo levando empresas se reinventar

Ao passo que mais acolhem os parâmetros ASG ao investir, mais pressão vai se colocando sobre empresas que se encontram distantes da agenda. Dessa forma, a perspectiva de um futuro promissor para muitos setores, sobretudo no que diz respeito ao fluxo de capital, acaba apontando para investimentos alinhados aos princípios ASG.

Ao mesmo tempo, muitos investidores estão deixando de investir e minando suas participações em empresas que caminham para longe da sustentabilidade, da responsabilidade social e transparência corporativa. E a perspectiva é da quantidade de investidores adotando esse crivo só aumentar.

A regulamentação na espreita de iniciativas insustentáveis  

A regulamentação cada vez maior das empresas em decorrência da demanda dos investidores e da sociedade civil é um fator que acaba promovendo a agenda ASG. Isso se dá porque muitas empresas e instituições acabam se aproveitando de um limbo fiscal e jurídico para manter medidas ambientalmente e socialmente insustentáveis.

Embora o Brasil ainda careça de mais regulações em relação à pauta ASG, a tendência é que, como em outros países do mundo, acabe abraçando essa frente.

A pauta ASG proporciona um retorno palpável

Está comprovado: segundo um levantamento realizado pelo PRI, 63% dos 2 mil estudos publicados a respeito do assunto (desde 1970 ) apontam para uma correlação entre a adoção da pauta ASG e o retorno financeiro para aqueles que buscam reinventar sua tese e apostar nos investimentos sustentáveis. 

Isso não é à toa! Na hora de investir, por que não escolher uma opção que, além de lucrativa, também esteja agregada de valor? A Organismo Investimentos preza pela transparência e pela qualidade de informação acerca das ofertas em nossa plataforma. Acesse e fique por dentro das empresas com a captação aberta, além das que estão no mercado subsequente, e fique atento às novidades que estão por vir!

Você vai gostar de ler: Crise da Americanas e o impacto nas ações da bolsa

Leia também