O poder do investimento a longo prazo

arvore de carvalho grande em fotografia contra o sol, em campo

O Investimento a longo prazo ainda é uma das maiores possibilidades de se obter sucesso no mundo dos investimentos. Descubra o que essa estratégia pode fazer com seu dinheiro e como a Organismo pode te ajudar a investir visando o longo prazo.

Falar em investimento de longo prazo e não citar Warren Buffet é algo praticamente impossível. Conhecido como um dos maiores investidores de todos os tempos, o “Oráculo de Omaha”, como também é chamado, possui um outro grande talento: a oratória.

Ao longo dos anos, muitas foram as frases proferidas em palestras, entrevistas ou conversas com amigos que se transformaram em uma verdadeira fonte de inspiração para investidores ao redor do mundo. E não é para menos, muitos são os ensinamentos que podem ser extraídos de suas célebres frases.

Quando o tema é “longo prazo”, é praxe ouvir a clássica: “o tempo é um grande amigo dos investidores pacientes”. No entanto, há uma outra frase, um pouco menos conhecida, da qual é possível tecer grandes reflexões sobre a importância de se investir focando na lucratividade que o acumulado dos anos pode trazer para um investimento.

Certa vez Buffet disse: “Uma pessoa só está sentada na sombra hoje porque alguém plantou uma árvore há um tempo atrás”.

Paciência, disciplina, resiliência: muitos são os atributos que poderíamos extrair dessa frase, mas o fator tempo é sem dúvida o que mais salta aos olhos. Da mesma maneira que uma árvore precisa de muitos anos para se tornar frondosa e proporcionar uma sombra atraente, leva-se tempo para o valor de uma empresa aumentar de modo a gerar lucros atrativos para seus investidores.

>>Leia também: Como Warren Buffett ficou rico?: 7 lições

Mas afinal, por que o longo prazo é tão importante a ponto de ser praticamente uma unanimidade entre os investidores bem-sucedidos?

De uma maneira bem simplificada, o poder dessa modalidade reside em dois grandes trunfos: juros compostos e ganho de capital.

O poder mágico dos juros compostos

Juros compostos é um velho conhecido do mercado financeiro. Muito temido em caso de dívidas e muito desejado no mundo dos investimentos, juros compostos nada mais são do que a incorporação do rendimento mensal de um determinado investimento ao capital inicialmente investido. Assim, no mês seguinte, o próximo rendimento será calculado tendo como base o capital acumulado no mês anterior e não o valor aportado.

Com o tempo, o poder dos juros compostos multiplica o dinheiro com uma força cada vez maior. Dessa forma, quanto maior o prazo e o volume de recursos investidos, maior será a lucratividade no final.

Diversas são as possibilidades de investir a longo prazo visando os juros compostos. Renda fixa, fundos de investimentos, renda variável, letras de crédito, CDB, tesouro direto, letras de câmbio são alguma opções. Cada uma delas possui prazos, taxas de retorno e riscos diferentes, por isso a importância de estabelecer estratégias antes de investir. É preciso diversificar o portfólio de modo a minimizar os riscos, e ter paciência e constância ao investir. Uma vez que, o efeito dos juros compostos só começa a ser sentido com mais intensidade entre cinco e dez anos após o início do investimento.

Como os juros compostos funcionam na bolsa de valores

Mas o que falar das ações de empresas, como as negociadas na bolsa de valores? Elas também se encaixam nessa “régua mágica” dos juros compostos?

De certa forma sim, sobretudo quando pensadas na estratégia de longo prazo. No entanto, a bolsa é enquadrada na categoria de renda variável, ou seja, não é possível prever quanto o investimento renderá de lucros. Além disso, é preciso levar em consideração que poderá haver também o fator depreciação. 

No caso da bolsa, o funcionamento dos juros compostos ocorre de uma maneira indireta, já que a divisão de lucros é feita tendo como base o valor das ações. Assim, quanto maior for a valorização da ação, maior será o valor de dividendos recebido. Além disso, os efeitos dos juros compostos na bolsa de valores podem ser sentidos com mais intensidade ao se reinvestir o lucro. Isso fará com que os juros incidam com mais força com o passar dos anos.

A importância do ganho de capital no planejamento financeiro de longo prazo

Contudo, investir em ações de empresas traz outro benefício que não os juros compostos. É neste ponto que se enquadra o ganho de capital, o outro grande trunfo dos investimentos a longo prazo.

O ganho de capital é o lucro obtido ao comprar uma ação por um valor e, após um período, revendê-la a um preço maior. Ele é o resultado da saída do investimento.

Aos que desejam lucrar com a venda de ações, estar atento às oportunidades do mercado é essencial para que se consiga montar uma carteira de investimentos rentável. Muitos investidores, como Buffet, por exemplo, utilizam de uma estratégia chamada value investing para lucrar com a valorização das ações.

Essa estratégia consiste em comprar ações de empresas que estão desvalorizadas, seja por oscilações do mercado, seja por problemas internos, e esperar pacientemente que o tempo exerça o efeito da valorização. Ou seja, é comprar barato e esperar para vender mais caro.

>> Leia também: O que é a carteira de investimentos – e porque é essencial diversificá-la?

Como a Organismo pode me ajudar a investir no longo prazo?

A Organismo trabalha com a venda de cotas de pequenas e médias empresas. Essas empresas possuem operações sólidas e alto potencial de crescimento, mas ainda não atingiram tamanho suficiente para serem comercializadas na bolsa de valores.

Investir em empresas desse porte é a chance de poder lucrar no longo prazo. Lembra da ideia da árvore? Grandes empresas que hoje estão na bolsa de valores e geram grandes dividendos a seus investidores, dando a possibilidade para que eles “descansem na sombra”, só chegaram onde estão porque no passado alguém investiu em suas operações, “plantou a árvore” e esperou pacientemente que ela adquirisse uma grande copa.

O investimento em PMEs (pequenas e médias empresas), resguardadas as devidas proporções, de certa maneira carrega a mesma estratégia do value investing utilizada por Buffet: é a chance de comprar barato para lucrar com sua valorização no futuro.

Mas, nesse caso, o valor baixo das cotas não se dá por problemas internos, ou por oscilações do mercado, e sim pelo fato da empresa ainda não ter atingido o ápice de seu crescimento. Ao financiar a expansão desses negócios, seu lucro tende a crescer juntamente com o valor da empresa e, em uma futura transação de M&A, ou até mesmo de um possível IPO na bolsa, você sentirá os efeitos que o longo prazo causou em seu investimento.

Como todo ativo de renda variável, não há como prever o lucro que o investimento trará, mas negócios inovadores e com uma boa entrada no mercado tendem a dar retornos exponenciais. Gostou da ideia de descansar na sombra? Então plante agora mesmo sua árvore! Invista nas melhores PMEs do mercado com a Organismo Investimentos.

>> Não deixe de ler: Bolsa instável? Conheça outra modalidade de investimentos rentáveis além do mercado de ações da B3

Leia também