Crescimento no mercado nacional de TI é maior que taxa mundial e desafio é treinar profissionais

teclado de notebook, em zoom

A demanda por profissionais qualificados em desenvolvimento de softwares, hardware, serviços e nuvem abre um mercado promissor de treinamento e desenvolvimento. Saiba como investir neste segmento em franca expansão.

Conteúdo atualizado em 17/01/2023

Apesar de 72,6% dos softwares utilizados no Brasil serem desenvolvidos no exterior, o país ocupa a 12ª colocação no mercado de softwares no mundo –  com 1,3% de participação, sendo o único país latino americano entre os doze maiores países no segmento.O setor de Finanças foi o que mais contratou serviços de TI em 2021, seguido pelas áreas de Serviços e Telecomunicações e Indústria.

A área de TI como um todo tem trilhado uma jornada constante de escalada. Em 2020, a produção mundial apresentou um crescimento de 2,5%, enquanto no Brasil chegou a expressivos 22,9%,  segundo dados da ABES (Associação Brasileira de Empresas de Software). Esse foi o maior índice já atingido pelo Brasil, e se deve à pandemia que acelerou os processos de digitalização. Já em 2021 a produção mundial de TI cresceu 11% e o Brasil continuou a registrar taxas mais elevadas que a média global, registrando 17,4%.

O volume de investimentos chegou à US$ 45,5 bilhões em 2021, isso levando em consideração o setor como um todo (mercados de software, serviços, hardware e também as exportações do segmento), atingindo cerca de 2,7% do PIB, montante que colocou o Brasil na 10ª posição no ranking mundial de TI, sendo o único país latino-americano entre os dez primeiro colocados. O mercado brasileiro passou a representar 1,6% do mercado mundial de TI e 40,0% da atividade da América Latina. 

Em relação à 2022 a ABES previa um crescimento 14% no setor. Apesar da associação ainda não ter publicado os resultados referente ao ano passado e expectativas para 2023, ao que tudo indica, o crescimento em 2022 deve novamente se manter acima das médias mundiais.

Entretanto, um dos maiores gargalos no setor é a contratação e retenção de profissionais qualificados, uma vez que a procura por profissionais de TI no mercado nacional segue alta, como apontam notícias publicadas no seudinheiro.com e Linkedin. 

De acordo com Fernando S. Meirelles, professor titular da Fundação Getúlio Vargas (FGV), assim como o mercado de contratação está em alta, também cresceu a dificuldade na contratação e retenção de talentos de TI: “A oferta de mão de obra de TI está cada vez mais defasada com relação à demanda nacional e mundial”, avalia em seu texto sobre o panorama do uso de TI no Brasil. 

De fato, os números levantados pela Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais (Brasscom) mostram que, de janeiro a junho de 2022, o macrossetor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) contratou, em média, 12,7 mil profissionais por mês em todo o Brasil, no mesmo período, 76.340 novos postos de trabalho foram abertos e, segundo a associação, trata-se de “uma crescente que não é interrompida desde junho de 2020”. 

Em 2021, os postos criados no setor foram quatro vezes maiores do que em 2020, totalizando quase 200 mil contratações. “Isso é resultado do grande movimento empreendido pelas empresas de tecnologia para conseguir atender à necessidade dos demais setores, que, em razão da pandemia, tiveram que se digitalizar ainda mais rapidamente”, analisou o presidente da Brasscom, Sérgio Paulo Gallindo, no site da entidade. 

Formação de desenvolvedores de software é mercado promissor de crescimento

Aliando-se ao mercado de TI, outro segmento em franca expansão é o de treinamentos remotos no Brasil, desde, sobretudo, o período de pandemia, que fez o setor trazer soluções, junto às Edtechs, para dar conta de atender à área de educação em todos os níveis, inclusive, o voltado para capacitação profissionais e corporativas. 

O mercado latino-americano estava avaliado, em 2020, em 3 bilhões de dólares e pode chegar a 6,5 bilhões de dólares em 2026. O Brasil é o quinto maior mercado educacional no mundo e o maior na América Latina. A perspectiva é que os ensinos corporativo e vocacional apresentem crescimento significativo no período projetado. 

Com 5.700 CNPJs registrados como empresas em treinamento de informática no país, 56% concentra-se no Sudeste e 94,6% tem o porte médio, com até 19 funcionários. 

Uma das três maiores e mais conceituadas empresas de treinamento à distância focado na formação de desenvolvedores de software é a desenvolvedor.io, fundada pelo desenvolvedor de softwares Eduardo Pires, em 2018, depois de atuar em treinamentos importantes de grandes empresas por volta de seis anos. O CEO Eduardo é um dos desenvolvedores mais conceituados do país, tendo sido eleito como Microsoft MVP por 10 anos consecutivos (Most Valuable Professional), e como Microsoft Regional Director por 4 anos consecutivos, sendo que nesta última categoria existem apenas 150 profissionais no mundo.

Com missão de formar e preparar desenvolvedores para atender à grande demanda técnica de profissionais qualificados no Brasil e exterior, a desevolvedor.io tem diferentes pacotes de treinamentos, com instrutores bem-avaliados.

Atenta ao crescimento desse mercado, a Organismo trará novidades para apoiar o investimento no setor. Acompanhe nossos canais para não perder a oportunidade.

Conteúdo Relacionado

Veja os conteúdos relacionados a esse assunto que separamos para você:

Leia também